Vida & Bem-estar

A síndrome dos pratos chineses

Esses dias estava pensando que a vida adulta se parece muito com aquelas apresentações de pratos chineses, em que o artista tem pratos de porcelana girando em varetas e tem que fazer todos se equilibrarem ao mesmo tempo, numa constante atenção e habilidade. Ao crescer as responsabilidades multiplicam e quando você se dá conta, também está fazendo “malabares”.

Não entendeu ainda muito bem o que quero dizer? Vamos lá: “Seja fitness/saudável”, “Mas vai sair de casa assim? Que desleixo, por que não passa maquiagem, coloca um salto alto?” “Seja um ótimo profissional, desses que trabalham horas e mais horas além do expediente, afinal, a concorrência aí fora é feroz”, “seja um bom amigo”, “cuide da sua família, esteja presente”, “e seu relacionamento? Você tem se dedicado? Hoje em dia é cheio de aplicativo de namoro, se não cuida, perde”, “Já ajudou alguma ong? O que tem feito pela sociedade?”, “E os animais, você ajuda na proteção deles?”, “Está acompanhando a política? Precisamos fazer algo a respeito”, “E o meio ambiente? Reduza e recicle!”…

Eu poderia listar ainda outras dezenas de cobranças diárias. Não sei vocês, mas eu sou uma pessoa que se cobra muito. Quando tudo vai bem em alguns dos itens citados acima, eu acabo pecando em outros e fico nesse desespero dos pratos chineses. O trabalho é inesgotável. Tem dias que me vejo tão cansada, que parece que eu corri a São Silvestre e só minha mente se desgastou. Fico pensando que está faltando aqui, ali, e acabo descartando os meus avanços, celebrando pouco minhas conquistas e bons momentos.

Claro que devemos buscar ser o nosso melhor, a vida está aí para progredirmos, aprendermos…Mas será que é saudável essa autocobrança 24 horas por dia? E como encontrar um equilíbrio para não ser acomodada e também não ser a louca-do-faz-tudo? Gostaria de dar uma receita mágica de passo-a-passo para a plenitude adulta, mas aqui vocês encontram questionamentos, não respostas kkkk

Escrevo esse post para que, então? Para meu e seu lembrete: cada um tem seu tempo, seus objetivos, não há fórmula certa. Não se compare às “vidas perfeitas” que você vê por aí, com certeza eles também tem problemas, só não postam na internet. Tenha paciência consigo mesmo, seu tempo é só seu. E daí se aos 30 você ainda não tem um carro, se ainda não terminou a faculdade? Será que você quer e precisa ter um carro e uma faculdade, ou está no piloto automático daquele “plano de vida” que um dia determinaram POR você? Continue se dedicando em ser uma pessoa melhor, em batalhar duro pelos seus objetivos, mas não se esqueça que o caminho muitas vezes é mais legal que o próprio destino. 

Quem mais sofre da síndrome-dos-pratos-chineses (acabei de inventar esse nome e tenho certeza de que não estou sozinha nessa kkk) comenta aqui embaixo, me conta se você já passou por situações parecidas.

Até a próxima!

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.